16 de jun de 2012

Ocupação de Domingo apresenta Circo Pocket Show Psicodelia




O Coletivo de palhaços Anarko-Clowns, advindos de experiências artísticas diversas, vai ao Espaço Cultural 512 apresentar o “Circo Pocket Show Picadeiro”, espetáculo noturno composto por performances, esquetes e cenas de curta duração. O ambiente noturno da boêmia é o cenário em que se passa este espetáculo e os personagens que protagonizam as cenas são palhaços que representam os arquétipos/estereótipos desse ambiente através de situações clássicas da noite. O roteiro é concebido a partir de improvisações baseadas em fatos que ocorrem nos bares da noite, situações preconcebidas e outras destacadas pela observação dos atores em saídas de campo.
A concepção deste trabalho prima pela simplicidade, realçando a imaginação, as propostas e soluções criativas oriundas do jogo teatral dentro da técnica do palhaço, a visão de mundo e a maneira de fazer as coisas a partir da lógica absurda, fantasiosa e ingênua dos palhaços, tendo como eixo principal a atuação e virtuosismo dos artistas.
O coletivo pretende resgatar a função social do palhaço, de relativizar as normas e verdades estabelecidas pelo nosso tempo, expondo as fragilidades e as contradições do ser humano. O palhaço não se condiciona aos conceitos e concepções dados pela nossa realidade e cultura. Está apto e sedento para descobrir e revelar o mundo, as coisas e as relações a cada momento. Por essa razão chega a provocar o riso, à medida que pode “reverter valores e padrões sociais”, trabalhando com a quebra e a ruptura do que já está condicionado, fazendo cair as máscaras sociais, revelando o humano. E nesse sentido, o palhaço além de fazer rir, ‘aperta o coração’ da platéia, conectando o espectador com sentimentos de compaixão, solidariedade, com a ingenuidade e a pureza de cada um. Federico Fellini (1983) diz que: “O clown representa uma situação de desnível, de inadequação do homem frente à vida. Através dele exorcizamos a nossa impotência, as nossas contradições e principalmente a luta ridícula e desproporcional contra os fantasmas de nosso egoísmo, de nossa vaidade e da nossa ilusão”.
Com humor ácido e sarcástico, de conteúdo reflexivo, o conjunto de cenas descrito abaixo constitui nosso espetáculo; o qual consiste em intervenções e jogos com o público. Chamamos de Pocket Show, por não utilizarmos grandes cenários, nem necessitarmos de grande espaço para sua realização.  Sendo assim, o público presenciará ao longo do domingo no bar, cenas individuais, em duplas, trios, quartetos e o quinteto todo reunido, com intervalos entre as cenas. 
As diferentes experiências culturais dos individuos do grupo trazem influências e teorias que compõem e enriquecem o trabalho. Nos orientam no campo teórico: Jacques Lecoq, Philipe Gaulier, Dario Fo, Jesus Jara, Henri Bergson, Bertold Brecht. No campo prático: Jango Edwards, Carlitos, Chacovach, Victor Avalos “Tomate” .

O quê: Circo Pocket Show;
Quando: 17/06 às 19h;
Onde: Espaço Cultural 512 - Rua João Alfredo, 512
Quanto: R$5

Nenhum comentário:

Postar um comentário